Em Argoncilhe: uma festa com mais de cem anos que sai hoje à rua

Em Argoncilhe, uma festa com mais de cem anos que sai hoje à rua

• O humor é obrigatório em todas as cascatas, é representado pelos “cagões” sempre escondidos, e todos fazem questão de os tentar encontrar. Em Argoncilhe também há os “mijões”, será que os vai encontrar?

 

As eleições levaram-nos a Argoncilhe nas vésperas de S. João e foi impossível não ouvir falar da cascata do S. João de Pereira — ficamos curiosos.

Seguimos as indicações e depressa encontramos o rasto porque nas ruas da freguesia já se sentia o sabor da festa. Feito o primeiro contacto, depressa percebemos que estávamos à porta da família certa — a família Pereira que aficionada pela tradição, recebeu-nos de braços abertos, sorriso no rosto e muito orgulho na sua cascata e no seu S. João. 

Filomena Pereira convidou-nos logo para entrar e cedo percebemos que começavam aqui os preparativos da festa: arcos, roupas, manjericos, restos de pano e de cartolina enchiam a casa de cor. Os móveis foram arrumados para mais logo receber o convívio da noite. Convidaram-nos para comer, mas disseram logo que não havia sardinhas, mas preparavam rojões e batatas que serviam com pão. 

Pouco a pouco começava a ajuntar-se mais gente, outros membros da família, os vizinhos, amigos e demais curiosos, todos vinham para ajudar. Chegamos à sala que faz paredes meias com a cascata e logo percebemos que jaz ali quase toda a história do S. João de Pereira, de Argoncilhe. 

Não se sabe ao certo quando nasceu o S. João de Pereira, mas Filomena Pereira garante que tem mais de cem anos. Uma certeza que vem com as histórias que a mãe contava. “Agora não temos o carro triunfante porque não há quem o faça, mas a minha mãe chegou a desfilar numa junta de bois”.  

É fácil perceber que os mais antigos não querem perder a tradição e são os primeiros a reconhecer que os jovens de hoje são menos entusiastas. “Antigamente os rapazes ficavam há espera da festa, agora ninguém aparece” — sublinha Filomena Pereira, ao saudar a paixão de três jovens, que consegue mobilizar os restantes. 

Cada ano as marchas trazem um tema diferente, este ano é a olaria. O ponto alto da festa do S. João de Pereira é ao domingo e começa por volta das 18h00, com a recolha dos três arcos pelas ruas da freguesia — arco da Castanheira, Moinhos e Pereira, sempre com a Banda Sinfónica de Argoncilhe, do Grupo Musical Estrela de Argoncilhe, nas costas. Às 21h00 os marchantes sobem ao palco, e que belo palco, a esta festa só falta você.   

 

CLIQUE NO SINO VERMELHO 

SUBSCREVA GRATUITAMENTE ÀS NOTIFICAÇÕES DO DIÁRIO DA FEIRA

Ajude-nos a entregar um jornalismo regional atrevido e sem tabus.

Somos um jornal diário e gratuito para continuarmos o nosso trabalho, precisamos dos seus cliques e da sua subscrição. 

CLIQUE NO SINO VERMELHO, CONFIRME A SUA SUBSCRIÇÃO