Opinião: Esquerda? Centro? Direita?

Opinião: Esquerda? Centro? Direita?

Após as eleições europeias fala-se muito de uma derrota da direita e do centro-direita, mas na realidade o que se deveria falar, na minha opinião, é se as ideologias partidárias ainda se aplicam atualmente nos partidos e principalmente nos partidos tradicionais, dos quais dou como exemplo o PS, PSD e CDS.
Nos dias de hoje um partido não pode ficar fechado num campo ideológico! Até pelo contrário, deve procurar alargar a sua militância a toda a população, por mais que as ideologias desses indivíduos sejam diferentes da original desse partido.
Os partidos devem definir como objetivo melhorar a qualidade de vida da população e defender o interesse da população e do país, pelo que se for necessário, por exemplo, determinar uma medida como a nacionalização dos correios (típica de esquerda) ou uma medida como a privatização dos correios (típica de direita), aquilo que se deve comentar é qual destas medidas é mais vantajosa para a economia nacional e para os utentes dos correios, ao invés de decidir selecionar-se a medida que vai ao encontro da ideologia do partido.
Acredito que seja muito difícil atualmente encontrar um indivíduo que concorde na totalidade com as posições de um partido e de uma ideologia.
De facto, o que se verifica é que o indivíduo comum concorda num assunto com a posição do partido x e num assunto completamente distinto já vai concordar com a posição do partido y.
Não quero que este artigo seja entendido como uma crítica à ideologia de um partido específico, mas sim que se perceba que a elevada abstenção verificada em Portugal se deve à falta de soluções políticas ou de partidos dispostos a esquecer a sua ideologia e apostar em medidas benéficas para o país.
Atualmente observo que os líderes partidários do PS, PSD e CDS estão dispostos a assumir essa abertura ideológica e reunir nos partidos várias posições distintas, mas são criticados pela oposição dentro do próprio partido ou condicionados pelos interesses dos empresários que financiam os partidos.
Neste sentido concluo a apelar que os atores políticos percebam que é altura de fazer alguma coisa diferente, é o momento de tomar medidas que vão beneficiar o país e os portugueses (e não beneficiar os privados que apoiam cada ator político ou cada partido nos bastidores), é a hora de assumir que as ideologias partidárias (a esquerda, o centro, a direita) já não se aplicam!
Abram os partidos a ideias diferentes, pensem primeiro no país, e vão perceber que mais indivíduos vão votar e que mais indivíduos vão se interessar pela política e filiar-se nos partidos.

Figurante e Corticeiro. Participa em espetáculos do Orfeão da Feira, já foi diretor de uma equipa de formação do São João de Ver. É militante do CDS e cidadão com forte participação cívica, interessado na evolução do país e do município e na melhoria da qualidade de vida da população.
Carlos Alberto
Militante do CDS

Notícias Relacionadas