CDS Aveiro acusa Lisboa de negligenciar investimento no distrito

CDS Aveiro acusa Lisboa de negligenciar investimento no distrito

CDS saliente que distrito de Aveiro produz mais dinheiro do que o investimento que recebe 

Carlos Silva, João Almeida, António Monteiro e Ângelo Resende 

Os deputados do CDS Aveiro, João Almeida e António Monteiro, entendem que “não se pede a confiança do voto sem se mostrar o que se fez para o merecer”. Com o mote “prestação de contas” apresentaram, esta semana em Santa Maria da Feira, o trabalho realizado ao longo de quatro anos na Assembleia da República — um relato que destaca a proximidade dos deputados centristas com o eleitorado de Aveiro e que aponta para a falta de investimento no distrito de Aveiro que “paga mais do que recebe”.   
 
A menor importância que o distrito de Aveiro ocupa na lista de prioridades do  investimento para o país dada pelo governo de Lisboa chegou com o final da conversa, quando João Almeida apresentou o balanço das reivindicações parlamentares apresentadas pelos dois deputados:  

“na concretização das propostas o balanço é interessante, mas não é suficiente para ser positivo e justifica uma coisa que faz falta que alguém diga em nome do distrito de Aveiro: pagamos mais do que o que recebemos”. 

João Almeida, que se destaca com atuações na área financeira — na Comissão de Inquérito à Caixa Geral de Depósitos conseguiu a aprovação unânime de todos os partidos no seu relatório — explicou que “há uma desproporção muito grande entre aquilo que é o produto do distrito e aquilo que construimos em riqueza para o país e não reclamamos”. Para o deputado, o distrito de Aveiro contraria as taxas de desemprego que assolam o país e são o reflexo do nível de produtividade do distrito, “muitos concelhos do nosso distrito estão muito próximos do pleno emprego e em prestações sociais não somos dos distritos que pesam no orçamento de estado”. No entanto, “quando o governo tem de fazer opções descarta Aveiro”, diz, exemplificando: “Pondera-se construir um novo aeroporto em Lisboa e estudam-se eventuais soluções de obras públicas para apoio a esse aeroporto, quando há muito tempo o distrito de Aveiro merece uma solução rodoviário e ferroviária necessária para que a competitividade das suas empresas possa ser ainda maior”.  

João Almeida coloca os custos em contexto e relembra que “a esmagadora maioria das empresas do distrito de Aveiro compete com concorrentes estrangeiros e torna-se fundamental reduzir o custo do transporte de mercadorias”. 

O deputado dá prioridade ao eixo Aveiro/Salamanca que “deveria estar nas prioridades do governo e devíamos saber se está nas prioridades da próxima legislatura”. 

A falta de priorização do governo face às necessidades do distrito traduz-se “depois num sentimento de insatisfação” e é fundamental procurar “um equilíbrio maior entre aquilo que é o peso do distrito de Aveiro na produção de riqueza nacional e na afetação do investimento público”. João Almeida frisa ainda que esta questão ganha ainda mais destaque “quando o ministro das infraestuturas é natural do distrito e cabeça de lista por Aveiro a estas eleições”. 

Os deputados aveirenses falaram do crescimento do CDS no distrito de Aveiro, apontando que este resultado advém do trabalho de proximidade que fazem questão de manter, “para além das responsabilidades nacionais, nunca descuramos a proximidade aos eleitores do distrito que nos elegeu”, diz António Monteiro ao sublinhar que “é importante sabermos conciliar as duas funções” e auscultar de perto o eleitorado, “também levantamos pequenas questões, muito importantes para as populações, por exemplo, na Feira cada um de nós esteve dezenas de vezes em todas as freguesias”. 

Em Aveiro, os deputados partem “para estas eleições muito confiantes. Nos últimos anos, o CDS tem a cada eleição autárquica aumentado o território pelo qual é responsável, com mais câmaras e mais juntas de freguesia lideradas pelo CDS”.

João Almeida afirma que o título de “capital do CDS” é para manter: “orgulhosamente reconhecemos o título que é dado ao CDS para o distrito de Aveiro. Nas europeias, Aveiro revalidou-o, com a percentagem mais alta de votos do CDS, sentimos a responsabilidade de tudo isso e procuramos naturalmente um resultado à altura”. 

Os deputados centristas apresentaram então o trabalho realizado ao longo dos quatro anos de mandato. No caso concreto de Santa Maria da Feira destacamos as intervenções conseguidas na área da saúde, Linha do Vouga e rede rodoviária.  

Em obra está a 223, um obra relevantíssima para os concelhos de S. João da Madeira e Santa Maria da Feira — reivindicamos e a obra está no terreno; no hospital S. Sebastião conseguimos contratações extraordinárias que estavam pendentes, na Linha do Vouga o nosso projeto foi aprovado, o governo não o cumpriu – os eleitores têm que julgar quem propôs, quem obteve aprovação e quem depois não cumpriu e principalmente os deputados que votaram a favor dos projetos, mas durante a legislatura apoiaram o governo que não cumpriu”. 

Ao falar da reabilitação da Linha do Vouga João Almeida lembra um episódio recorrente para quem utiliza este meio de transporte:

 “Perguntamos ao governo porque não executa o projeto que aprovou e como chamada de atenção fizemos uma viagem simbólica de Oliveira de Azeméis até Espinho, programamos a segunda, o ano passado por esta altura, mas não a podemos fazer porque o Vouguinha não tinha gasóleo para andar.”

Em relação às urgências do hospital João Almeida deixa a pergunta:há que perguntar aos deputados eleitos pelo distrito de Aveiro, alguns deles naturais ou residentes e autarcas em Santa Maria da Feira, por que razão votaram quatro orçamentos e não conseguiram nunca que as verbas que possam estar orçamentadas fossem gastas no concelho. Dá-se também o caso de haver um cabeça de lista a estas legislativas que é autarca na Feira e coordenador do seu partido para a área da saúde, certamente poderá responder melhor porque é que as obras não foram realizadas”, concluiu João Almeida.

CLIQUE NO SINO VERMELHO EM BAIXO DO LADO DIREITO

SUBSCREVA GRATUITAMENTE

DIGA SIM ÀS NOTIFICAÇÕES DO DIÁRIO DA FEIRA,

E RECEBA, NA HORA, AS NOTÍCIAS  DE SANTA MARIA DA FEIRA, EM QUALQUER LUGAR

Notícias Relacionadas