Opinião: Um dia de acolhimento… O novo normal do regresso às aulas

Opinião: Um dia de acolhimento… O novo normal do regresso às aulas

O regresso às aulas está previsto para a semana de 14 a 18 de setembro, contudo o que podemos esperar desse regresso?

Desde logo, um dia de acolhimento dos alunos para iniciar o programa de festas. Simplesmente o dia mais fundamental da semana do retorno dos nossos estudantes pois será o dia de divulgação dos planos e procedimentos de cada estabelecimento com vista à contenção da propagação do vírus.

A realidade é que o regresso às aulas já está a decorrer há semanas com um prolongado trabalho de preparação do ano letivo conduzido pela direção e pelos colaboradores, docentes e não docentes, de cada estabelecimento de ensino.

Essa preparação passa por setores tradicionais como, por exemplo, a circulação dos alunos, contudo com etapas inovadoras, nomeadamente a definição concreta de corredores de circulação que possibilitem o distanciamento entre estudantes dentro do recinto escolar.

Ultrapassando a fase da preparação, surge então o desígnio do acolhimento, onde os estudantes preparam se para receber informações fundamentais sobre o funcionamento do estabelecimento, que por sua vez devem ser transmitidas também aos encarregados de educação, com vista à pacificação das suas dúvidas e salvaguarda da crença de um regresso às aulas seguro para os seus educandos.

Neste dia de acolhimento, os estudantes deparam-se perante uma sala exclusiva para cada turma, na qual recebem um lugar predefinido por os docentes do conselho de turma. Lugar esse que deve ser mantido preferencialmente na totalidade do ano letivo de forma a evitar o contacto de vários intervenientes com os mesmos materiais.

Assumindo as posturas adequadas a uma sala de aula, nos seus lugares exclusivos, os estudantes devem estar focalizados para o que será uma autêntica “conferência Covid”, ou melhor uma conferência sobre os procedimentos “anti-Covid” do estabelecimento de ensino.

Esse momento de acolhimento, é também fundamental em aspetos letivos, pois será o momento de introdução do, possivelmente, novo diretor de turma aos respetivos estudantes.

Noutros contextos, o diretor de turma seria acompanhado por a quase totalidade dos restantes docentes do conselho de turma, contudo nesta nova realidade esse acompanhamento será previsivelmente realizado somente pelo docente secretário de direção de turma, sendo que este, após assistência a todas as atividades do diretor de turma, será substituído momentaneamente por cada um dos docentes do conselho de turma com vista às respetivas apresentações.

Na ressaca do dia de acolhimento, é um panorama de “business as usual” com os tempos letivos a decorrer segundo a “nova normalidade” marcada pelo uso de materiais de proteção. Nesta “nova normalidade” salienta-se o papel dos encarregados de educação, isto porque são os pais de cada educando que devem garantir que o estudante cumpre os seus deveres de aluno, principalmente o dever de levar todo o material requerido e necessário para as suas aulas.

Este particular aspeto do material do estudante é de uma tremenda relevância pois o aluno não vai adquirir competências se ficar sujeito a uma manutenção forçada de 100 minutos numa secretária de sala de aula sem qualquer ocupação, que não a de ouvir e interagir com o docente.

Concluindo, neste período pandémico, mais do que o papel da direção e dos colaboradores dos estabelecimentos de ensino, será o papel dos encarregados de educação que assumirá uma importância extrema. Aos encarregados de educação solicita-se que cumpram as instruções dos estabelecimentos de ensino na íntegra e que redobrem a atenção que dão aos seus educandos, mesmo aqueles em anos de ensino secundário, de forma a minimizar situações indesejadas e prejudiciais para as aprendizagens dos seus educandos.

 
Professor do Colégio Nossa Senhora da Bonança e Professor do Colégio Nossa Senhora da Esperança
Diogo Fernandes Sousa
Professor
    ☕️ Antes de ir embora: