Opinião: Uma nova economia

Todos os artigos de Opinião são da responsabilidade dos autores e não refletem a linha editorial do Diário da Feira

Opinião: Uma nova economia

Enquanto alguns descobrem agora o ambiente e o utilizam como armas políticas, outros avançam com reflexões e propostas:

A nossa aposta tem de ser na economia circular. A economia circular consiste num modelo económico regenerativo e restaurador, em que os recursos (materiais, componentes, produtos, serviços) são geridos de modo a preservar o seu valor e utilidade pelo maior período de tempo possível. Desta forma, aumenta-se a produtividade dos recursos, preserva-se o capital natural, bem como o capital financeiro das empresas e sociedade civil. Trocando por miúdos, a economia circular consiste em acabar como ciclo “extrair, transformar, descartar”. É assim que funcionamos no nosso dia-a-dia: tiramos, usamos e deitamos fora.

Está na altura de avançar para os princípios da regeneração e restauração. Devemos avançar, para um ponto-chave da economia circular, com a exigência de produtos que durem o máximo de tempo possível.  Outro ponto importante é o desenvolvimento de novos produtos, serviços economicamente viáveis e ecologicamente eficientes, radicados em ciclos idealmente perpétuos de reconversão a montante e a jusante. 

Todo o conceito de economia circular tem por objectivo a minimização da extracção de recursos, maximização da reutilização, aumento da eficiência e desenvolvimento de novos modelos de negócios.

Os municípios têm um papel bastante importante neste novo paradigma da economia circular, ajudando a fechar o ciclo, através da adopção de estratégias “zero resíduos”: recolha selectiva porta-a-porta, distribuição de compostores domésticos, compositores comunitários, dotar escolas, lares e outros serviços de equipamentos de biocompostagem, criação de espaços agregadores de serviços locais de pequenas reparações, promoção de reutilização (troca e venda de produtos em segunda mão), entre muitos outros.

Uma política ambiental digna desse nome, não pode ficar apenas por vídeos de campanha eleitoral nas redes sociais, ou por duas linhas no meio de um Orçamento Municipal. 

Uma política ambiental digna desse nome não pode ficar por modas, palavras bonitas, fotografias, planos de intenções e folclore populista. Com a ajuda de todos, temos de caminhar para uma sociedade mais sustentável, proporcionando assim um futuro melhor para os nossos filhos.

Operador de Logística; Técnico de informática; IL - Militante da Iniciativa Liberal
Daniel Santos
Operador de Logística