Opinião: A importância dos Jovens na Recuperação Económica

Todos os artigos de Opinião são da responsabilidade dos autores e não refletem a linha editorial do Diário da Feira

Opinião: Os jovens e a vida política

Quando perguntamos aos Portugueses que conselho dariam aos mais jovens, é muito frequente ouvir: «que tenham juízo». Esta frase popular tem uma sabedoria e uma profundidade que, muitas vezes, nos passam ao lado.   É o juízo – a sensatez aliada ao empreendedorismo – que cria a identidade e fomenta a prosperidade de cada nova geração. Por um lado, evitando que ela se perca. Por outro, permitindo que ela se encontre.

Os juízos doutrora não são, todavia, os juízos de agora. As sucessivas crises do século XXI constituem um enorme desafio à identidade e à prosperidade da juventude. Em março de 2020, havia quase 2,3 milhões de jovens desempregados na zona euro. A percentagem de desemprego jovem era de 15,8% e Portugal tinha a quinta maior taxa de da Europa (19,3%). Com a pandemia, estes números foram decerto agravados.

Aos dados económicos acrescem dados demográficos e sociais preocupantes. Em 2019, um terço dos jovens Portugueses revelavam decididos em emigrar. Todos os anos, dezenas de milhares saem em busca de melhores empregos e condições de vida. Estima-se que, em 2060, quase 60% da população europeia viva nos países mais ricos – um cenário que agravará os baixos índices de natalidade, o envelhecimento e a desertificação no nosso país.

Sempre ao longo dos anos fui um defensor da juventude, acredito que nela reside o futuro. Tenho insistido que, por serem particularmente penalizados pelas crises, os jovens devem ser uma prioridade em Portugal e na Europa. Na altura, houve quem rejeitasse esta ideia. Mas hoje não restam dúvidas: eles devem ser os principais protagonistas da integração europeia, dos valores fundamentais, da democracia e da liberdade, da defesa do ambiente, dos direitos sociais e da dignidade humana. Não como espectadores, mas como agentes ativos da defesa do direito à saúde e à constituição de família, à habitação condigna, à educação, à formação profissional e ao empreendedorismo.

Destarte, os jovens precisam da União Europeia. Ela é uma garantia de oportunidades, mobilidade, formação e experiências profissionais, não apenas fora, mas também dentro do nosso país. Os programas europeus na área da educação, da formação, do primeiro emprego e do voluntariado têm de contribuir para fixar a juventude em Portugal. Falo, claro está, do Erasmus +. Mas também da Garantia Jovem, do Corpo Europeu de Solidariedade e do DiscoverEU. Falo, enfim, do programa «O teu primeiro emprego Eures», que hoje permite um acesso muito mais vasto a empregos, estágios e oportunidades de formação.

Ao mesmo tempo, a União Europeia precisa dos jovens. O velho continente não pode arriscar perder mais gerações. A «fuga de cérebros» ameaça a coesão económica, social e territorial no espaço europeu. Contribui para o envelhecimento da UE. Promove o declínio das taxas de natalidade. E entorpece os sistemas nacionais de segurança social.

Por conseguinte, na semana passada, a Comissão Europeia apresentou um plano de relançamento da economia com um nome sugestivo: «Nova Geração UE». A juventude dá nome e sentido à recuperação económica e ao futuro do projeto europeu.

Mas, para que este plano faça jus ao nome, não pode cortar o financiamento dos programas dedicados aos nossos jovens. Pelo contrário, deve investir na juventude, sem a sobrecarregar com o pagamento de impostos, e baixos rendimentos.

A sustentabilidade económica, social e ambiental constrói-se paredes-meias com a sustentabilidade intergeracional. Investir no Pacto Ecológico Verde e na Agenda Digital é, pois, apostar nas gerações futuras. Mas aumentar a dívida pública significa, a prazo, hipotecá-las. Nesse sentido, tenho defendido que as políticas europeias de apoio à juventude devem ser financiadas com recursos pagos pelas grandes empresas do digital ou da economia poluente.

Os chefes de Estado e de Governo, que este mês vão decidir, no Conselho Europeu, quem paga a fatura da recuperação, devem atuar como líderes da União que temos, mas também da União que queremos ter. Afinal, o juízo dos nossos jovens depende, hoje, dos juízos políticos que, um dia, a História tratará de ajuizar.

Auditor, programador - Frequenta o 3.º Ano em Ciência Política Coordenador do Distrito de Aveiro do RIR - Partido Político
Alcino Ferreira
Auditor