(VÍDEO) Ânimos exaltados e agressões mancham final Taça dos Veteranos

(VÍDEO) Ânimos exaltados e agressões mancham final Taça dos Veteranos

•  Uma vitória sem festa e repleta de peripécias negativas. 

Na história dos clubes há episódios mirabolantes. Uns destacam-se pelo fair-play, outros pela qualidade da exibição, mas há também aqueles que são reprováveis e este é um deles. No final, todos falaram de um espetáculo que não deixa memórias de agrado. 

Adivinhava-se uma partida de ânimos quentes que começou dias antes e nas páginas do Facebook. Os primeiros minutos do jogo, confirmaram as expetativas, lutava-se mais do que se jogava e o empenho físico nascia mais dos músculos do que do cérebro — assistia-se a um encontro de picardias e biqueiradas sem grandeza artística nem dignidade, onde os golos só apareceram na segunda parte.

Nas bancadas viviam-se momentos semelhantes. Fervia o estádio, com muita falta de educação mal disfarçada em certas partes da bancada.

Os primeiros dois golos, a favor da Sanjoanense, coagiram o S. João de Ver a uma toada de esforços na busca de soluções que, para seu mal, só floresceram bem perto dos minutos finais, quando a Sanjoanense se viu reduzida a sete jogadores.

O jogo esteve interrompido cerca de dez minutos com troca de agressões e insultos entre jogadores, equipas técnicas e até alguns adeptos. Tudo começou com uma alegada agressão a um jogador do S. João de Ver que terá sido atingido com uma garrafa de água, mas as duas equipas relatam uma versão diferente para a mesma história. 

O S. João de Ver ainda reduziu para 2 – 1, 2 – 2 e 2 – 3, sendo que o golo da vitória chegou no último minuto e na conversão de um penálti, bem assinalado pela equipa de arbitragem. 

Ganhar é sempre bom, mas pelas palavras e festejos dos jogadores malapeiros, só no âmbito da “loucura” é que algum jogador ou dirigente celebraria uma vitória num episódio tão dramático e depreciativo como este. Do outro lado, em declarações ao Diário da Feira, Ricardo Andrade, sub-capitão da Sanjonense, afirma que a equipa pondera abandonar o campeonato em virtude dos acontecimentos.

No final do encontro António Lobo, diretor da Sanjoanense, afirmou que não se revê no papel da equipa da Sanjoanense e frisou que fez questão de pedir desculpas à associação, aos árbitros e à equipa de S. João de Ver.

Uma vitória sem festa, numa tarde negativa, onde todos comungaram de peripécias perturbadoras.

CLIQUE NO SINO VERMELHO 

SUBSCREVA GRATUITAMENTE ÀS NOTIFICAÇÕES DO DIÁRIO DA FEIRA

Ajude-nos a entregar um jornalismo regional atrevido e sem tabus.

Somos um jornal diário e gratuito para continuarmos o nosso trabalho, precisamos dos seus cliques e da sua subscrição. 

CLIQUE NO SINO VERMELHO, CONFIRME A SUA SUBSCRIÇÃO